Morfologia: Formação de palavras

EMEFEM Luiz Joaquim dos Santos
Componente Curricular: Língua Portuguesa
Professora: Luciene
Turma: 7.º A
Semana 15 – Aula 27 – Dia: 24 / 08 / 2020
Tema: Trabalho no campo e na cidade
Conhecimentos gramaticais: Morfologia: Formação das Palavras

O B S E R V A Ç Õ E S:

NÃO precisa copiar o assunto no caderno.
C O P I E os exercícios no seu caderno.
- Não será preciso enviar foto do exercício respondido, pois você deverá respondê-lo no formulário que se encontra nesta postagem.
- Após responder ao questionário, clique em ENVIAR.

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Trabalho no Campo e na Cidade


Há pessoas que moram na cidade, outras que moram no campo. As pessoas que moram na cidade formam a comunidade urbana (zona urbana) e as pessoas que vivem no campo formam a comunidade rural (zona rural).

Na comunidade urbana (cidade), há muitas coisas em comum, por exemplo, alguns serviços como eletricidade, água e esgoto tratados, transportes coletivos, comunicação, rede de bancos e um comércio muito variado. Nas cidades, as casas ou apartamentos são construídos bem junto uns dos outros.

A zona rural (campo) é a região que fica fora da cidade. As pessoas vivem no campo em sítios, chácaras, fazendas, etc. As casas da zona rural não são construídas perto uma das outras. A maioria das pessoas que vivem na comunidade rural trabalham cuidando da lavoura e do gado. As que cuidam da lavoura são chamadas de agricultores ou lavradores. Ela trabalham na terra, plantam, colhem e vendem os produtos. Quem cria os animais como bois, cavalos, cabras, porcos, aves são chamadas pecuaristas.

As formas de diversão e distração das pessoas variam muito de um lugar par o outro. É muito importante que todas as pessoas procurem se divertir e distrair para poder manter a saúde mental e física. Nas cidades há formas para as pessoas se distraírem: cinemas, teatro, zoológico, parques, televisão, etc. No campo, onde a vida é mais simples e não existem muitas escolhas para diversão, as pessoas se divertem pescando, andando a cavalo, tomando banho de rio, cachoeira, freqüentando rodeios, bailes, etc. Na cidade ou no campo as pessoas podem se distrair lendo bons livros, fazendo passeios a pé, conversando.

Morfologia

Formação das Palavras


A língua portuguesa dispõe de diferentes processos de combinação de morfemas para formar novas palavras. Para compreender esses processos precisamos retomar alguns conceitos:

- Palavras primitivas: são aquelas que não derivam de outras palavras. Exemplos: dia, casa, flor

- Palavras derivadas: são aquelas que derivam de outras palavras. Exemplos: diário (de dia), casarão (de casa), floreira (de flor).

Existem dois processos básicos pelos quais se formam as palavras: a Derivação e a Composição.

Derivação


Derivação é o processo pelo qual se obtém uma palavra nova, chamada derivada, a partir de outra já existente, chamada primitiva. Observe o exemplo abaixo:

Palavra Primitiva         Palavra Derivada
mar                                  marítimo, marinheiro, marujo
terra                                 enterrar, terreiro, aterrar

A Derivação pode ser prefixal, sufixal, prefixal e sufixalparassintética, regressiva e imprópria.

Tipos de Derivação


Derivação Prefixal ou Prefixação


Resulta do acréscimo de prefixo à palavra primitiva, que tem o seu significado alterado. Veja os exemplos:

Palavra Inicial  Prefixo   = Palavra Formada
crer                     des          = descrer
ler                       re            = reler
capaz                  in            = incapaz

Derivação Sufixal ou Sufixação


Resulta de acréscimo de sufixo à palavra primitiva, que pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe gramatical. Por exemplo:

Palavra Inicial   Sufixo  = Palavra Formada
alfabetizar           ção        = alfabetização
folha                    gem      = folhagem

Derivação Prefixal e Sufixal


Ocorre quando a palavra derivada resulta do acréscimo de prefixo e sufixo à palavra primitiva.

Exemplos:

Palavra Inicial  Prefixo   Sufixo   = Palavra Formada
leal                      des          dade      = deslealdade
feliz                     in            mente    = infelizmente

Derivação Parassintética ou Parassíntese


Ocorre quando a palavra derivada resulta do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva.

Considere, por exemplo, o adjetivo "triste". Do radical "trist-" formamos o verbo entristecer pela junção simultânea do prefixo "en-" e do sufixo "-ecer". Note que a presença de apenas um desses afixos não é suficiente para formar uma nova palavra, pois em nossa língua não existem as palavras "entriste", nem "tristecer". Exemplos:

Palavra Inicial   Prefixo   Sufixo   = Palavra Formada
mudo                   e              ecer       = emudecer
alma                    des           ado        = desalmado

Dica: para estabelecer a diferença entre derivação prefixal e sufixal e parassintética, basta retirar o prefixo ou sufixo da palavra na qual se tem dúvida. Feito isso, observe se a palavra que sobrou existe; caso isso aconteça, será derivação prefixal e sufixal. Caso contrário, será derivação parassintética. Exemplos:

desigualdade = nós temos as palavras "desigual" e temos "igualdade", ou seja, podemos retirar o prefixo e/ou o sufixo da palavra. Portanto, "desigualdade" possui Derivação Prefixal e Sufixal.

desalmado = não existem “desalma”, nem “almado”. Portanto, a palavra é formada pela Derivação Parassintética.


O B S E R V A Ç Ã O : Vamos continuar o assunto em outra aula.

EXERCÍCIOS SOBRE O FORMAÇÃO DE PALAVRAS
Entrega até o dia 27 / 08 / 2020

Responda ao questionário e não esqueça de clicar em ENVIAR:

Bons estudos