Os Símbolos da Festa Junina

EMEFEM Luiz Joaquim dos Santos
Componente Curricular: Língua Portuguesa
Professora: Luciene
Turmas: 6.º C / 6.º E
Semana 6 – Aula 11 – Dia: 25 / 06 / 2020
Tema: Cultura Nordestina – Festas Juninas 

O B S E R V A Ç Õ E S:

- Não precisa copiar o texto no caderno. 
- Copie o exercício no seu caderno.
- Responda o formulário que se encontra nesta postagem, o formulário é o exercício sobre o assunto.
- Se não conseguir responder ao formulário online, tire foto do exercício respondido no caderno e me envie.
- Após responder ao questionário, clique em ENVIAR.

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Os Símbolos da Festa Junina


A festa junina é conhecida popularmente por seu caráter alegre, com brincadeiras, comidas típicas, simpatias etc., ou seja, com vários símbolos juninos, quando homenageamos Santos Católicos: Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo. 

As primeiras festas eram dedicadas exclusivamente a São João. Por isso, levaram o nome de joaninas, mostrando sua forte conotação religiosa. As comemorações se popularizaram e, após a entrada dos festejos dos quatro principais santos no calendário católico, passou-se a chamá-las de festas do mês de junho ou festas juninas.

Significado de cada símbolo


São vários os símbolos da festa junina dessa festa, mas os mais importantes são:

1 - Fogueira

A fogueira foi criada desde os tempos mais antigos para agradecer pela fertilização da terra e pelas fartas colheitas. Manifesta também tanto o bem quanto o mau: o bem por representar a criação, a luz, a proteção, espantar maus espíritos, e o mau por ser um elemento destruidor. 

Como elemento religioso, a tradição conta que Isabel, irmã de Maria (a mãe de Jesus), teria acendido uma fogueira para avisar a irmã do nascimento de São João Batista (aquele batizou Jesus Cristo). Por isso, ela deve ser acendida às seis da tarde, horário da oração da Ave Maria.

A tradição de saltar as chamas da fogueira é para mostrar a bravura diante do perigo.

Cada santo junino tem um tipo diferente de fogueira, sendo a de Santo Antônio quadrada, a de São João redonda e a de São Pedro e São Paulo triangular.

2 - Balões 

Os balões foram criados para lembrar o início da festa junina. Soltavam-se balões para anunciar a todos e outros locais o início das comemorações e das celebrações.

Com significado religioso, o balão seria uma forma de contatar o divino, por ir da terra ao céu, levando os desejos daqueles que o fizeram. 

Atualmente, porém, a prática é proibida por lei, já que pode causar incêndio e machucar pessoas. Por isso, os balões ganharam uma nova versão, feita com papel de seda colorido, pendurado em barbante, como luminárias. 

3 - Bandeiras 

As bandeiras juninas têm forte influência do budismo, pois durante as grandes navegações, os portugueses entraram em contato com essa filosofia e seus costumes. Uma de suas tradições era imprimir orações em pequenos tecidos coloridos, para que o vento pudesse levar preces para outras regiões e povos.

As bandeirolas representam São João, Santo Antônio, São Pedro e São Paulo, onde estes eram pregados nas bandeiras para serem admirados durante a festa. Assim, passaram a fazer bandeirinhas coloridas para alegrar o ambiente da festa.

As bandeiras dos santos também costumam ser lavadas, mergulhadas em um lago, riacho ou mesmo numa bacia, para que as pessoas se molhem com essa água, podendo se purificar. 

4 - Mastro de São João 

O mastro de São João simboliza o desejo de fertilidade da terra, de boa colheita. É erguido durante a festa junina para celebrar os santos católicos ligados a esse período. Geralmente, no topo de cada mastro são amarradas em geral bandeirinhas simbolizando os santos: São João, Santo Antonio, São Pedro e São Paulo. 

5 - Lavagem dos Santos

A lavagem dos santos é o momento em que as suas bandeiras são mergulhadas em água, para trazer purificação. As bandeirolas representam as bandeiras dos santos, levando purificação a todo o local da festa.

6 - Fogos de artifício

Esse símbolo junino foi ganhando espaço com o passar dos anos e é uma tradição recente. Seu uso está ligado ao afastamento das más energias, dos maus espíritos, dos espíritos do azar e dos sentimentos ruins, além, é claro, de anunciar para todos que as festividades do mês de junho já começaram.

7 - Quadrilha

A quadrilha é uma forma de agradecimento pelas boas colheitas, feita aos santos juninos.

A quadrilha tem sua origem nas danças realizadas nas festa da corte portuguesa no Brasil, que também possui características das celebrações francesas. O momento representa a alegria e amor. Além de, antigamente, servir como forma de conquista, já que constantemente trocasse o par, para que todos possam se conhecer melhor.

A encenação do casamento foi perdendo força ao longo dos anos, mas, se retomarmos a história da festa junina, a quadrilha só era feita após o teatro, como forma de comemorar a união dos noivos. Também tinha como princípio uma homenagem aos santos e agradecimento pela boa colheita. No nordeste, a música ganhou um repertório diferente, composta por instrumentos como o triângulo e sanfona.

8 - Casamento caipira

O casamento caipira faz uma sátira aos casamentos tradicionais. A noiva está grávida e o pai da mesma obriga o rapaz a se casar. A apresentação do casamento na roça é muito engraçada, pois o noivo aparece bêbado, tentando fugir do altar por várias vezes, sendo capturado pelo pai da noiva que lhe aponta uma espingarda. Este, conta com o apoio do delegado da cidade e do padre para que o casamento seja realizado. Após a cerimônia, os noivos puxam a quadrilha. 

9 - Pau de Sebo 

O pau de sebo é um elemento mais comum no Nordeste e Norte do país. Veio de uma herança portuguesa que tinha como objetivo mostrar, por meio da brincadeira, bravura e poder. A proposta consiste em tentar subir em um tronco reto e liso banhado de sebo ou graxa, ou qualquer outra substância gordurosa, para que os participantes tentem pegar um prêmio que se encontra no topo. A pessoa pode usar de qualquer artifício para escalar, mas poucos tem habilidade para. 

10 - Comidas típicas

A mesa farta com comidas típicas simboliza a fartura e o fim do trabalho braçal. O milho, que é um dos maiores representantes da festa junina, se popularizou graças a colheita da espiga, que é feita exatamente nessa época do ano.

11 - Simpatias 

As simpatias são uma forma de trazer maiores crenças, como sorte na vida e no amor. 

Santo Antônio, conhecido como o Santo casamenteiro, é sacrificado, sendo colocado de cabeça para baixo até que a pessoa arrume um companheiro. 

São João é também conhecido pelo seu poder nos assuntos do amor. 

Já São Pedro é tido como o protetor dos pescadores e das viúvas.

12 - Compadrio

Nas fogueiras são realizados os pactos de compadrio. Neles, dois amigos firmam um compromisso de se unirem como irmãos. Mesmo que não sejam ligados por laços de sangue, eles criam entre eles "laços de fogo". O pacto é feito dessa forma: no dia de São João, os dois compadres fazem um juramento: “Eu juro por São João, São Pedro, São Paulo e todos os santos da corte do céu...”. Em seguida, saltam a fogueira por três vezes, em cruz, dizendo: 

“São João dormiu,
São Pedro acordô,
Vamo sê cumpadre
Que São João mandô.”

Dessa forma, se criam grandes famílias, com relações mais amplas e profundas, todos ligados pela fogueira, sob os auspícios de São João.

EXERCÍCIO SOBRE O TEXTO
Entrega dia 29 / 06 / 2020


- Responda ao questionário e não esqueça de clicar em ENVIAR:

Bons estudos